Prevenção ao HIV deve ser feita durante todo o ano

Rede pública de saúde do DF oferece tratamento completo, mas a avaliação precoce combinada ainda é a melhor alternativa para evitar contaminação

0
1098

O último mês do ano, na Saúde, é marcado pela campanha Dezembro Vermelho, que foca a prevenção e o diagnóstico precoce de HIV, assim como o tratamento da Aids. Essas medidas podem e devem ser mantidas sempre, para evitar a contaminação pelo vírus e o desenvolvimento da doença.

Dados da Secretaria de Saúde (SES) apontam um decréscimo no número de novos casos de HIV e de Aids em 2020. De infecção pelo vírus da imunodeficiência humana, o DF registrou 690 episódios no ano passado, 90 casos a menos do que em 2019. Já da doença adquirida pelo HIV, foram 249 novos casos em 2020, ante 293 no ano anterior.

“A prevenção combinada é definida pela própria pessoa, de acordo com seu momento de vida e o contexto de vivência da sua sexualidade”Leidijany Paz, enfermeira do Centro Especializado em Doenças Infecciosas

Referência técnica distrital (RTD) de infectologia, a médica Lívia Pansera explica que o HIV é transmitido principalmente por relações sexuais (vaginal, anal ou oral) desprotegidas com pessoas portadoras do vírus e sem tratamento adequado. Também pode ocorrer a transmissão vertical, que é quando a mãe que vive com HIV sem tratamento passa o vírus para o filho durante a gestação, o parto ou a amamentação. “Pode, ainda, ser transmitido pelo compartilhamento de objetos perfurocortantes contaminados, como agulhas e alicates”, acrescenta a médica.

Para evitar a contaminação, a melhor estratégia é a prevenção combinada. “Essa combinação é definida pela própria pessoa, de acordo com seu momento de vida e o contexto de vivência da sua sexualidade”, explica a enfermeira Leidijany Paz, do Centro Especializado em Doenças Infecciosas (Cedin), referência no tratamento de pessoas com HIV no Distrito Federal.

Abordagens múltiplas

Segundo a profissional, a técnica consiste no uso simultâneo de diferentes abordagens de prevenção, como uso de preservativos – tanto o masculino quanto o feminino –, uso de gel lubrificante, terapias antirretrovirais, como a PEP (profilaxia pré-exposição), e a testagem regular.

Para definir a melhor combinação, é preciso identificar a autopercepção do risco de exposição ao HIV. “É importante que a autopercepção de risco de exposição ao HIV venha acompanhada de uma consequente redução desse risco, com a incorporação de uma ou mais estratégias de prevenção”, explica a enfermeira, que aponta alguns questionamentos importantes a serem feitos:

Quando você está mais exposto?

Quando está sob efeito de bebida alcoólica ou outra substância que altera a consciência?

Quando está solteiro? Quando está na balada?

Quando está num relacionamento estável e não conversa sobre prevenção de IST?

Qual a melhor prevenção combinada para o momento que você está vivendo atualmente?

Suspeita de contaminação

Caso surja a suspeita de adquirir o HIV devido à exposição sexual (consentida ou vítima de violência) ou acidente biológico com perfurocortantes ocorridos nas últimas 72 horas, a médica Lívia Pansera orienta: “A pessoa exposta pode ser avaliada na unidade de saúde quanto à possibilidade de receber a PEP”.

Caso a pessoa suspeite da infecção há mais tempo, a rede pública de saúde disponibiliza gratuitamente testes para HIV, sífilis e hepatites B e C, nas unidades básicas de saúde (UBSs) ou no Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA), na Rodoviária do Plano Piloto.

E, se o resultado do teste for positivo, também é oferecido o tratamento clínico-ambulatorial em unidades de saúde especializadas. Nesses serviços, o usuário tem acesso às consultas médicas, exames específicos de monitoramento e ao tratamento com medicamentos antirretrovirais (ARVs). “A pessoa que tiver o diagnóstico de infecção pelo HIV, após avaliação médica adequada deve iniciar a terapia antirretroviral o quanto antes”, alerta a médica.

Os antirretrovirais impedem a replicação do vírus HIV no organismo, evitando o enfraquecimento do sistema imunológico e o desenvolvimento da Aids. “Por isso, o uso regular dos ARVs é fundamental para aumentar o tempo e a qualidade de vida das pessoas que vivem com HIV e reduzir o número de internações e infecções por doenças oportunistas”, defende Leidijany.

*Com informações da Secretaria de Saúde

Por Agência Brasília com informações de PH Paiva

Foto: Breno Esaki/Agência Saúde