Dengue promove queda de 80% em estoque de banco de sangue; entenda

Com os casos graves de dengue, aumenta a necessidade de transfusões de sangue nos pacientes. Além disso, quem contrai dengue fica inapto a doar por 30 dias

0
681

Desde o início do ano, o GSH Banco de Sangue de Brasília enfrenta um déficit de 80% no estoque sanguíneo. Essa baixa se deve ao período de férias, seguido do feriado prolongado de carnaval. Porém, a epidemia de dengue no Distrito Federal também tem contribuído para a queda nos estoques. Atualmente, a unidade recebe cerca de 10 doações por dia, quando o ideal seriam 50 bolsas para atender às demandas dos hospitais de maneira adequada.

“Com os casos graves de dengue, aumenta a necessidade de transfusões de sangue nos pacientes internados acometidos pela doença. Por outro lado, os doadores que contraem dengue ficam inaptos a doar por 30 dias. Já em caso de dengue hemorrágica, esse prazo chega a 180 dias. É uma conta que não fecha”, explica Ana Luiza Araújo, coordenadora regional de captação do GSH Banco de Sangue de Brasília.

Por isso, a unidade está convocando a população para entrar em uma mobilização para doar sangue e salvar vidas. Todos os tipos sanguíneos são necessários, mas os de Rh negativo são os que mais estão em falta. “A necessidade é urgente, pois quem está doente e precisando de hemocomponentes para sobreviver não pode esperar”, ressalta a coordenadora regional.

Como doar sangue?

Para doar sangue, basta comparecer, de segunda a sábado, das 7h às 12h30, no endereço SGAS 915 – Asa Sul – 2º subsolo do Centro Clínico Advance I (próximo ao DF Star), ou agendar previamente pelos telefones (61) 3011-7531 e (61) 9632 3648. Mesmo quem não sabe qual o seu tipo sanguíneo pode doar, pois no procedimento de doação é realizado o teste de tipagem.

Veja a lista dos pré-requisitos para doação de sangue:

Apresentar um documento oficial com foto (RG, CNH etc.) em bom estado de conservação;

Ter idade entre 16 e 69 anos desde que a primeira doação seja realizada até os 60 anos (menores de idade precisam de autorização e presença do responsável legal no momento da doação);

Não é permitido realizar doação acompanhado de menores de 12 anos (exceto se o menor estiver acompanhado de dois adultos, sendo necessário o revezamento dos mesmos enquanto acontece a doação);

Estar em boas condições de saúde, se sentindo bem, sem qualquer sintoma;

Pesar a partir de 50 kg e ter dormido ao menos 6h na última noite;

Não ter feito uso de bebida alcoólica nas últimas 12 horas;

Não é necessário estar em jejum, mas deve evitar alimentos gordurosos;]

Se fez tatuagem e/ou piercing, aguardar 12 meses. Exceto para região genital e boca (12 meses após a retirada);

Em caso de diabetes, deverá estar controlada e não fazer uso de insulina;

Se passou por endoscopia ou procedimento endoscópico, aguardar 6 meses;

Não ter tido Doença de Chagas e Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST);

Candidatos que apresentaram sintomas de gripe e/ou resfriado devem aguardar 7 dias após cessarem os sintomas e o uso das medicações;

Aguardar 48h para doar caso tenha tomado a vacina da gripe, desde que não esteja com nenhum sintoma.

Dengue no DF

De acordo com o novo boletim divulgado pelo Ministério da Saúde na segunda-feira (19/2), o Distrito Federal registrou 35 óbitos pela dengue em 2024. Há ainda 79.287 casos prováveis da doença na capital federal e 69 óbitos em investigação.

A Secretária de Saúde do DF pontua que a dengue é uma doença viral transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. O vírus é transmitido pela picada da fêmea. O mosquito é urbano, diurno e se reproduz em depósitos de água parada. O período do ano com maior transmissão da doença ocorre nos meses mais chuvosos.

“O acúmulo de água parada contribui para a proliferação do mosquito e, assim, para a maior disseminação da doença. Por esse motivo, é importante evitar água parada, porque os ovos do mosquito podem sobreviver por um ano no ambiente”, destaca a pasta.

Por Aline Gouveia do Correio Braziliense

Foto: Reprodução/Freepik / Reprodução Correio Braziliense