Escolas terão acesso a atividades no Museu de Arte de Brasília

Aberto neste mês, programa MAB Educativo conta com recursos do Fundo de Apoio à Cultura (FAC)

0
99

O Museu de Arte de Brasília (MAB) recebe seu primeiro programa educativo financiado pelo Fundo de Apoio à Cultura (FAC), da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec): o MAB Educativo.

Com fomento de R$ 300 mil, a iniciativa, executada pela Mediato Conecta, começa neste mês. O programa elabora experiências por meio de atividades pedagógicas que envolvem a mediação do acervo e das exposições temporárias do museu, bem como oficinas. 

“Penso que é importante reconhecer que o GDF está realmente em uma rota de ampliar o acesso à cultura no Distrito Federal”Arlene Von Sohsten, coordenadora do MAB Educativo

Além de propiciar visitas ao museu e contato com obras de arte moderna do século 20, o programa conta com trabalhos práticos que incentivam a educação patrimonial dos estudantes. Para tanto, o programa tem equipes educativas de atendimento, criação e produção.

As equipes que farão as dinâmicas passam por um treinamento pedagógico para adaptar a linguagem de acordo com o público visitante. O projeto também conta com um atendimento amplo, com inclusão de pessoas com deficiência. Materiais educativos, inclusive com versão em Braille, estarão ao alcance dos alunos, além de visitas guiadas com apresentação em Libras e audiodescrição.

Portas abertas 

De acordo com a coordenadora do programa, Arlene Von Sohsten, o objetivo é democratizar o acesso às exposições, com ações educativas que buscam sensibilizar o público e aproximá-lo do ensino com a experiência, trabalhando com programações atrativas para as famílias e as escolas.

“O museu já é um espaço social de troca, mas o fato de as portas estarem abertas não garante que o público vai estar lá e poder se conectar com o que está exposto”, observa Arlene. “Gosto bastante de uma frase que diz: ‘só faz sentido o que é sentido’”. 

Ela ressalta que o programa também é uma forma de valorizar ainda mais o acervo do MAB,  permanentemente exposto ao público, que pode contar com articulação, agendamento, transporte sem custo e atendimento qualificado.

“Penso que é importante reconhecer que o GDF está realmente em uma rota de ampliar o acesso à cultura no Distrito Federal”, afirma a gestora. “Temos conseguido essas oportunidades porque, com bons projetos e um financiamento responsável e transparente, conseguimos entregar isso à população.”

Agendamentos

A visita tem duração média de uma hora e tanto a programação quanto o agendamento estão na plataforma Mediato Conecta, por onde as inscrições podem ser feitas. 

As escolas agendadas terão direito a ônibus de graça até o museu, disponibilizado em um sorteio que funciona da seguinte maneira: os professores comparecem ao MAB, recebem materiais e orientações para a visita e concorrem ao transporte gratuito para as turmas.

Por Agência Brasília

Foto: Lúcio Bernardo Jr./Agência Brasília / Reprodução Agência Brasília