UTIs tiveram maioria das transfusões de sangue no Hospital de Santa Maria

De janeiro a maio deste ano, o banco de sangue do HRSM, que é gerido pelo IgesDF, totalizou 14.521 procedimentos, incluindo testes imuno-hematológicos

0
192

O Hospital Regional de Santa Maria (HRSM) conta com o Núcleo de Hemoterapia (banco de sangue) que realiza atendimentos de urgência e emergência de forma ininterrupta, 24h, com assistência hemoterápica a pacientes internados. O banco de sangue do HRSM atende os centros cirúrgicos, o pronto-socorro, as unidades de terapia intensiva (UTIs) – neonatal, pediátrica e adulta – e a internação, sendo a demanda maior registrada nas UTIs.

Em maio deste ano, 67,68% das transfusões foram realizadas nestas unidades, 20,15% nas internações e 12,17% nos centros cirúrgicos do hospital. De janeiro a maio de 2023, o banco de sangue do HRSM – gerido pelo Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (IgesDF) – totalizou 14.521 procedimentos, incluindo hemotransfusões, testes imuno-hematológicos e interconsultas em hematologia.

Ao todo, o núcleo conta com uma equipe multiprofissional composta por 41 colaboradores, como técnicos de hematologia e hemoterapia, técnicos de enfermagem, enfermeiros e médicos hematologistas.

“Temos uma área física e quadro de pessoal especializado. Realizamos exames de pesquisa de grupo sanguíneo ABO, fator RH, teste de coombs direto, indireto, pesquisa de anticorpos irregulares e provas de compatibilidade”, explicou a biomédica Gisele Lorranna Silva Santos, especialista em hematologia e chefe do Núcleo de Hemoterapia do HRSM.

“A princípio, foi um choque saber que o meu filho recém-nascido necessitava de uma bolsa de sangue. Assim que foi solicitado pelo banco de sangue, ele foi prontamente atendido. Hoje, eu vejo a diferença que fez, porque ele estava no quadro anêmico e teve resultado imediato”Miriam Marcelo Coutinho, técnica de enfermagem

Em alguns casos, a alta demanda da UTI Neonatal do HRSM pode estar relacionada à necessidade de hemotransfusão no tratamento de condições potencialmente graves na prematuridade. Além disso, durante o parto, caso ocorra o desprendimento da placenta ou rompimento do cordão umbilical, a criança pode perder muito sangue, causando hipotensão arterial e insuficiência respiratória.

Outra situação que pode causar a perda de sangue e, consequentemente, anemia no prematuro é a repetição de exames laboratoriais que diminuem volume total de sangue circulante desses bebês. “E esse sangue não será reposto rapidamente pela medula óssea imatura do neonatal; nesses contextos, o volume infundido é muito pequeno, mas indispensável a manutenção da vida”, explicou a biomédica.

A técnica de enfermagem Miriam Marcelo Coutinho, 40, mãe de Ravi, de 29 dias, só tem a agradecer à equipe médica da UTI Neonatal e do banco de sangue pelo serviço prestado. “A princípio, foi um choque saber que o meu filho recém-nascido necessitava de uma bolsa de sangue. Assim que foi solicitado pelo banco de sangue, ele foi prontamente atendido”, explicou. “Hoje, eu vejo a diferença que fez, porque ele estava no quadro anêmico e teve resultado imediato”.

Neste mês é realizada a campanha Junho Vermelho para conscientização sobre a importância da doação de sangue. O Dia Mundial do Doador de Sangue, 14 de junho, é uma data definida para conscientizar sobre a necessidade de disponibilizar sangue para quem precisa, incentivar a doação e as entidades governamentais e parceiros no fortalecimento de programas nacionais de sangue. Segundo dados do Ministério da Saúde, no Brasil, 14 em cada mil habitantes doam sangue de forma regular nos hemocentros do Sistema Único de Saúde (SUS).

Seja um doador

A doação de sangue é feita  na Fundação Hemocentro de Brasília. Para doar, é necessário ter entre 16 e 69 anos de idade, pesar mais de 51 quilos e ter índice de massa corporal (IMC) maior ou igual a 18,5, apresentar documento de identificação oficial com foto, dormir pelo menos seis horas na noite anterior à doação, não ingerir bebida alcoólica nas 12 horas anteriores e não fumar duas horas antes do procedimento. Para ter acesso às informações completas que possibilitam fazer a doação, acesse este link.

*Com informações do IgesDF

Por Elisa Costa do Jornal de Brasília

Foto: Divulgação/IgesDF / Reprodução Jornal de Brasília