Cooperação Técnica da UnB vai ajudar unidades de conservação do DF

Parceria do Instituto Brasília Ambiental tem o objetivo de subsidiar a criação de UCs e a elaboração ou revisão de Planos de Manejo; Parque dos Pequizeiros já recebeu visita de pesquisadores da instituição de ensino

0
100

O Instituto Brasília Ambiental e a Universidade de Brasília (UnB) celebraram Acordo de Cooperação Técnica (ACT) para a elaboração dos estudos que vão subsidiar a criação de unidades de conservação (UCs) e a elaboração ou revisão de Planos de Manejo das UCs distritais. A primeira unidade contemplada é o Parque Distrital dos Pequizeiros, localizada em Planaltina.

De acordo com o presidente do Instituto, Rôney Nemer, trata-se de uma iniciativa de aproximação da Universidade com o instituto, “a fim de promover o compartilhamento de conhecimentos científicos e tecnológicos e a capacitação dos discentes.”

A analista de atividades de meio ambiente, Danielle Lopes, esclarece que a cooperação interinstitucional envolve visitas de alunos às UC’s, geridas pelo Brasília Ambiental, para a execução de projetos de pesquisa e extensão universitária.

Nessas visitas, além da disponibilização do espaço de pesquisa, o Instituto entra com a infraestrutura de transporte no deslocamento dos pesquisadores às UC’s. Os pesquisadores são alunos de graduação do Departamento de Geografia e professores de diversos departamentos, institutos e centros da UnB. “As visitas técnicas são feitas para obtenção de dados dos meios físico, biótico e socioeconômico”, completou Danielle Lopes.

Plano de manejo

Os dados e informações, resultantes das pesquisas, serão entregues ao Brasília Ambiental sob a forma de relatórios técnicos, contendo o diagnóstico socioambiental das UCs, proposição de zoneamento ambiental e de programas de manejo.

Segundo o Sistema Nacional de unidades de Conservação (SNUC), o Plano de manejo é o principal instrumento de gestão das unidades de conservação, no qual constam a caracterização da unidade, o zoneamento com as respectivas normas e os programas de gestão. O plano deve abranger a área da UC, sua zona de amortecimento e os corredores ecológicos, incluindo medidas com o fim de promover sua integração à vida econômica e social das comunidades vizinhas.

*Com informações do Brasília Ambiental

Por Agência Brasília

Foto: Divulgação/Brasília Ambiental / Reprodução Agência Brasília