Inadimplência é realidade para 52% dos brasilienses

Números de julho fazem parte do Mapa da Inadimplência da Serasa. Em média, cada inadimplente brasliense deve R$ 7,4 mil

0
134

Mais de 1,2 milhão de brasilienses estão inadimplentes e somam dívidas que chegam a R$ 9,5 bilhões, com média de R$ 7,4 mil para cada um. Isso representa 52,24% da população adulta no Estado, percentual acima do índice nacional, que é de 43,72%. Esses números são referentes a julho e fazem parte do Mapa da Inadimplência da Serasa, levantamento mensal que apresenta o cenário de endividamento no Brasil.

A maior parte das dívidas no Estado está concentrada em três setores: Bancos e Cartões (33,82%), Utilities (18,47%), que são contas de gás, água e luz, e Financeiras (16,97%). Entre as faixas etárias, os maiores inadimplentes têm entre 41 e 60 anos (38,2%), seguidos pela população entre 26 e 40 anos (38,8%) e por pessoas com mais de 60 anos (17%).

É válido destacar que julho trouxe a segunda retração consecutiva em inadimplentes no Brasil. Ao atingir um total de 71,41 milhões de brasileiros, foi registrada uma redução de 34.495 pessoas na comparação com o mês anterior. É a primeira vez, desde junho de 2021, em que ocorre duas quedas em sequência nos levantamentos mensais da Serasa.

Um dos fatores de impacto foi o total de débitos com bancos e cartões de crédito, que registrou redução de 1,60 ponto percentual, passando de 31,13% para 29,53% entre os últimos dois meses. Essa queda pode estar ligada aos primeiros resultados do Programa Desenrola Brasil, do Governo Federal, que, desde 17 de julho, estimula a negociação de dívidas com as instituições financeiras.

A Serasa, inclusive, conta com uma série de programas que tem o intuito de contribuir com a queda da inadimplência e melhorar os dados. Em julho, mais de 76 mil acordos foram fechados pelos canais do Serasa Limpa Nome apenas no Distrito Federal. O número de ofertas disponíveis, no entanto, batia 10,2 milhões.

Por Camila Bairros do Jornal de Brasília

Foto: José Cruz/Agência Brasil / Reprodução Jornal de Brasília