DF registra menor número de homicídios em 24 anos

A redução se deu no mês de setembro e, ainda, no acumulado dos primeiros nove meses de 2023. Até 2025, cerca de 500 novas câmeras contribuirão para ações de segurança

0
142

A implementação de políticas coordenadas, assim como o investimento em tecnologia, inteligência e capacitação, tem contribuído para a redução criminal no Distrito Federal. No acumulado de janeiro a setembro, a queda chegou a 10,1% na comparação com o ano anterior. No mês de setembro, a redução se manteve. Em 2023, foram oito registros a menos que em 2022. Ou seja, neste ano foram computados 15 homicídios e, em 2022, ocorreram 23 crimes da mesma natureza, 34,7% a menos.

Os crimes violentos letais intencionais (CVLIs) — que englobam homicídios, feminicídios, lesões corporais seguidas de mortes e latrocínios — também apresentaram o menor número dos últimos 24 anos, tanto no mês de setembro (16 crimes em 2023 e 21 em 2022), como no acumulado dos nove meses deste ano, em que a redução chegou a 9,9%. Foram 201 CVLIs neste ano e 223 no ano passado.

“A atuação da segurança pública tem se pautado pela integralidade das nossas ações, que significa envolver, além das forças de segurança e órgãos de governo, outros segmentos da sociedade civil nos assuntos de segurança. Temos o desafio de continuar superando os resultados já alcançados na redução de homicídios e crimes contra o patrimônio, por exemplo, conquistas que têm colocado o DF em posição de destaque no cenário nacional”, avalia o secretário de Segurança Pública do DF, Sandro Avelar.

“Estamos constantemente revisando nossos processos de gestão para torná-los mais eficientes e temos, ainda, ampliado nossos canais de diálogo com a sociedade visando não só a redução da criminalidade, mas também o aumento da sensação de segurança e a qualidade de vida da população”Sandro Avelar, secretário de Segurança Pública

“Estamos constantemente revisando nossos processos de gestão para torná-los mais eficientes e temos, ainda, ampliado nossos canais de diálogo com a sociedade visando não só a redução da criminalidade, mas também o aumento da sensação de segurança e a qualidade de vida da população. O apoio integral e o direcionamento do governador Ibaneis Rocha são fundamentais. Ele acredita no trabalho conjunto das forças de segurança, que se dedicam diariamente à implementação de nossas políticas de redução criminal”, acrescenta Avelar.

No que diz respeito aos feminicídios, foram dois registros em setembro, mesmo número do ano anterior. A luta contra a violência de gênero é prioridade para o Governo do Distrito Federal (GDF), com programas e ações específicas para enfrentar esse crime e parcerias com órgãos locais.

O secretário-executivo da SSP-DF, Alexandre Patury, enfatiza a importância das estratégias de prevenção dos crimes de gênero e do encorajamento de denúncias. “Adotamos ações de enfrentamento a todas as formas de violência contra a mulher e, principalmente, contra a mais grave delas, que é o feminicídio. Sendo assim, convidamos todos a participar da campanha #NãoAoCovarde, em que o principal mote é a não tolerância à covardia. Grave seu vídeo e poste nas redes sociais com essa hashtag. A segurança pública é dever do Estado, mas responsabilidade de cada um de nós como cidadãos”, afirma.

31,3%Redução do roubo em transporte coletivo de janeiro a setembro

Roubos e furtos

No que diz respeito aos crimes contra o patrimônio, os seis crimes monitorados pela secretaria – roubos a transeunte, em transporte coletivo, de veículo, em comércio, em residência e o furto em veículo – apresentaram redução significativa de 20,5% no acumulado dos nove primeiros meses. “Os crimes contra o patrimônio merecem atenção especial, pois têm impacto relevante na sensação de segurança da população”, comenta Avelar.

De janeiro a setembro, o roubo em transporte coletivo teve a maior redução (31,3%), passando de 547, ano passado, para 376 este ano, o que corresponde a 171 ocorrências a menos. Este é o segundo mês consecutivo que a redução se mantém. Além de atuações rotineiras de investigação e policiamento, a SSP-DF realiza uma série de ações específicas envolvendo forças de segurança, a Secretaria de Mobilidade (Semob), representantes de empresas de ônibus, entre outros órgãos.

“Adotamos ações de enfrentamento a todas as formas de violência contra a mulher e, principalmente, contra a mais grave delas, que é o feminicídio. Sendo assim, convidamos todos a participar da campanha #NãoAoCovarde”Alexandre Patury, secretário-executivo da SSP-DF

Na sequência, também no acumulado do ano, os roubos a transeunte tiveram redução de 22,5%. Os furtos em veículos (quando objetos são subtraídos sem que a vítima perceba), roubo de veículos e em comércio tiveram redução de, respectivamente, 17%, 15,6% e 15,3%. O roubo à residência teve queda de 13,8%.

A Secretaria de Segurança Pública destaca a importância do registro de ocorrências pela população para apoiar a elaboração de estudos criminais, que monitoram e indicam locais e horários de maior incidência de cada tipo de crime. Essas informações são fundamentais para o planejamento de estratégias de policiamento pela Polícia Militar do DF e para a identificação de grupos especializados pela Polícia Civil do DF.

Videomonitoramento

Entre as medidas adotadas para redução da criminalidade está o uso da tecnologia, por meio das câmeras de videomonitoramento. Os equipamentos são essenciais para acompanhar situações e direcionar policiamento de forma mais ágil e inteligente. No último mês foi publicado o contrato para complemento da contratação de serviços, como fornecimento de materiais, compondo o investimento realizado para a continuidade da implantação de novos pontos de captura e manutenção das 980 câmeras já instaladas.

A previsão é de que cerca de 500 novas câmeras contemplem regiões que ainda não contam com a tecnologia e, também, fortalecimento daquelas que já contam com o serviço. A fase de ampliação teve início neste ano e conclusão esperada para 2025.

As imagens são transmitidas em tempo real para o Centro Integrado de Operações de Brasília (Ciob) e, a partir disso, distribuídas ou disponibilizadas às dez centrais de Monitoramento Remoto (CMRs), instaladas em unidades da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF).

*Com informações da SSP-DF

Por Agência Brasília

Foto: Divulgação/SSP-DF / Reprodução Agência Brasília