PMDF irá adquirir nova tropa de cavalos

Tropa de equinos está próxima da aposentadoria e corporação quer reforços antes do prazo-limite para o merecido descanso dos animais. Previsão é que a licitação seja aberta na próxima quinta-feira

0
159

Com parte dos cavalos da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) próximo a aposentadoria das ruas da capital federal, a corporação pretende comprar 25 animais para recompor o percentual. Uma licitação está prevista para ter início em 26 de outubro, e os custos, segundo o edital, giram em torno de R$ 1,3 milhão.

O aviso de licitação foi publicado em 9 de outubro, em edição do Diário Oficial do Distrito Federal (DODF). No edital, consta que a corporação pretende adquirir cavalos com altura da cernelha ao solo em piso nivelado e animais desferrados entre 1,55m e 1,66m. A PM projeta utilizar os equinos menores em abordagens policiais nas ruas. A justificativa é de que os PMs precisam montar e descer dos equinos de forma rotineira, e que isso poderia impactar negativamente em cavalos maiores, devido ao esgotamento físico, além de provocar lesões.

Os cavalos menores se somarão aos 37 que atuam nesse esquadrão, chamado de Rondas Ostensivas. Os maiores serão empregados nas operações do Choque Montado. Atualmente, há 38 animais desse porte à disposição desse regimento. “A recomposição de nosso plantel de equinos é fundamental para a continuidade de atendimento das demandas operacionais. Os animais aptos ao serviço encontram-se com idades entre 13 e 16 anos, sendo que os equinos considera-se aptos para o serviço até a idade aproximada de 20 anos. Assim sendo, em quatro anos, teremos uma redução de 25% dos cavalos, aumentando esse percentual gradativamente no decorrer dos anos”, explicou o comandante da cavalaria, tenente-coronel Genilson Figueiredo de Oliveira. 

Os animais que a corporação pretende adquirir devem ter em torno de 3 e 7 anos de idade, da raça brasileira de hipismo, que já é adotada pelo Exército Brasileiro e por outras polícias militares do país — que se destaca pela inteligência, docilidade, boa índole e temperamento calmo. A corporação busca cavalos que estejam em um nível de preparação avançado, o que aceleraria a preparação do equino em mais de 10 meses. “A exigência em edital é para que os equinos já possuam um bom nível de treinamento, deverão apresentar trabalho de lida que permita a colocação da cabeçada com embocadura; ser de fácil manuseio de seus membros; possam ser forrageados, permitam ser realizado o penso e a toalete de crina, cola e da orelha”, explicou o comandante. “Em relação ao trabalho montado, os solípedes — mamíferos de casco único — deverão permitir serem montados; não se assustarem com facilidade; serem calmos, que não tenham franqueza perante os obstáculos naturais; aceitem o uso da sela de policiamento, bem como, os equipamentos e acessórios acoplados, por exemplo: cassetete e capa de chuva”, completou o comandante.

Mas, antes de efetivamente estarem nas ruas do Distrito Federal, a projeção da corporação é de que os cavalos passem por oficinas de treinamento, onde haverá simulações do que os equinos podem encontrar. Os treinamentos são variados, como sons; veículos transitando de um lado para o outro; pequenos obstáculos; ambientação aos novos espaços; embarque e desembarque nos caminhões de transporte; ruídos; cheiros; estímulos visuais; entre outros. “A título de comparação, por questões de segurança, condições de uso severo e economicidade devido às manutenções, uma viatura tem sua vida útil, em média, de 5 a 6 anos. Já com os equinos, a expectativa é de mais de 20 anos de bons serviços prestado à sociedade. Podendo chegar a quase 30 anos, em alguns casos excepcionais”, enfatizou o tenente-coronel Oliveira. 

Aposentadoria

Ao todo, a PMDF tem 200 cavalos. Desse total, 101 ainda estão em atividade, mas a maioria está entre a faixa etária de 13 a 16 anos. Cerca de 99 equinos, que completaram mais de 20 anos, estão aposentados. Apesar disso, eles são utilizados em projetos sociais da corporação, como o Centro de Equoterapia, que atende 104 portadores de necessidades especiais e Transtorno do Espectro Autista (TEA); além de 221 alunos, da Escola de Equitação da corporação, com o acompanhamento de psicólogos, fisioterapeutas, pedagogas, educadores físicos e professores. 

Uma das justificativas apontadas pela PMDF no edital é de que, caso os dois esquadrões sejam empregados em sua capacidade máxima, não haverá cavalos disponíveis para suprir a demanda, que poderia comprometer as operações da corporação. 

Licitação

Antes de abrir uma licitação para a compra de cavalos, a reportagem apurou que a PMDF encontrou dificuldades, já que a última compra semelhante ocorreu em 2021, pela polícia do Estado do Ceará. Militares da PMDF chegaram a procurar o vencedor dessa licitação. Porém, o vendedor dos animais não respondeu às ligações da PMDF para um orçamento privado.

Com isso, a corporação consultou o Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF), que não apontou erros no edital porque o pregão não foi publicado para a análise dos conselheiros. A última aquisição de cavalos pela corporação foi em 2014.

Por Pablo Giovanni do Correio Braziliense

Foto: Divulgação/PMDF / Reprodução Correio Braziliense