Confira como está o ensaio de pré-candidatos que estão de olho no GDF

Mesmo distante de 2026, políticos começam a avaliar possibilidades para o Buriti. Reeleito, o governador Ibaneis Rocha (MDB) não pode disputar o cargo mais uma vez, mas deve ser o fiel da balança. A vice-governadora Celina Leão é sucessora natural

0
70

Ainda faltam pouco três anos para as eleições que vão escolher o novo governador do Distrito Federal. Mas a temporada de lançamento de pré-candidatos começou. Entre eles estão Celina Leão (PP), Damares Alves (Republicanos), Leandro Grass (PV) e Reginaldo Veras (PV).

Natural sucessora do atual governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB) — ele não poderá disputar um novo mandato, pois já foi reeleito —, Celina sempre destacou que é muito cedo para falar sobre eleições. “Um processo eleitoral antecipado pode criar um pouco de mal-estar, um sentimento de arrogância. É claro que temos um projeto político de continuidade, mas isso vai ser construído em 2026”, disse a vice-governadora, em uma entrevista ao Correio, em outubro.

A coluna Eixo Capital afirmou, no início deste mês, que ela poderá encabeçar uma chapa com outras duas mulheres para cargos majoritários. Com uma eventual desistência de Ibaneis para a disputa ao Congresso Nacional, as especulações são de que, com duas vagas para o Senado, a progressista articule uma chapa com a deputada federal Bia Kicis e a ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro (ambas do PL), mas, vale ressaltar que Ibaneis Rocha (MDB) ainda não confirmou seu projeto político.

A disputa ainda teria a senadora Damares Alves entre os possíveis nomes ao governo local. Mais próxima ao núcleo político da família Bolsonaro, ela poderia ser o entrave para a efetiva aliança de Celina Leão com Michele e até mesmo com Bia Kicis, caso a republicana decidisse concorrer ao GDF. Procurada pela reportagem para comentar a possibilidade, a senadora da República ressaltou que vai seguir no mandato atual até o fim dos oito anos.

Chapa competitiva

Atualmente presidindo o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Leandro Grass (PV) é um dos nomes que, certamente, pode ameaçar a continuidade do legado de Ibaneis Rocha no governo do DF. Ao Correio, ele destacou que, desde as últimas eleições, as conversas continuam, não apenas entre partidos, mas com diversos setores da sociedade. “Temos buscado a ampliação das forças sociais e políticas em torno de um projeto para a capital do país. Temos muitas lideranças importantes participando deste processo”, adiantou.

O objetivo, segundo Grass, é chegar em 2026 com uma frente ampla, madura e com reais chances de vencer as eleições, para implementar um projeto de reconstrução de Brasília — coerente com as necessidades do DF e do Entorno — e que melhore a qualidade de vida da população. “Não tenho dúvidas de que formaremos uma chapa competitiva e meu nome segue à disposição”, afirmou o presidente do Iphan.

A possibilidade de Grass tentar o cargo de governador do Distrito Federal é determinante para os planos do deputado federal Reginaldo Veras (PV). O parlamentar também é pré-candidato ao Buriti, e sinalizou ter várias estratégias para as eleições de 2026. Caso o correligionário, integrante do governo Lula, permaneça com a intenção de tentar o Buriti, ele irá almejar outro cargo.

“Não escondo que a minha ideia é vir de senador ou governador, mas vai depender muito da minha estratégia ao decorrer desse tempo. Eu tive uma conversa com o Grass e ele me sinalizou que pretende ser candidato novamente. No caso de ele vir como governador, eu não me lanço como candidato ao Buriti”, explicou.

Veras reiterou que todas as movimentações para o próximo pleito dependerão da construção entre os partidos do mesmo campo político, quanto de legendas ligadas à direita. O parlamentar acrescentou que sempre é de desejo do PT lançar nomes para a disputa. “Tudo vai depender do contexto, que se clareia geralmente no último ano antes da eleição. A maior parte do meu eleitorado quer que eu venha como governador. Mas, reitero, tudo vai depender do contexto. Com o Grass vindo como candidato ao Buriti, eu posso considerar o Senado”, ponderou.

“Temos que considerar também que existe uma federação, que é um casamento de quatro anos. Para nós, é importante termos uma junção, igual ao que ocorreu na última eleição. O PT gosta de lançar os nomes deles para o Buriti, e por isso teremos que convencer o PT e o PCdoB que somos nomes viáveis”, completou o parlamentar.

Indecisão

Outro nome que sempre surge para a disputa ao Buriti é o do advogado Paulo Roque (sem partido). Cotado para ser vice na chapa encabeçada pelo ex-senador José Antônio Reguffe (sem partido) na última eleição, o que não ocorreu com a desistência do partido do ex-senador, o advogado não cogita se lançar para o cargo de governador em 2026.

Segundo ele, a polarização no país deve se confirmar com as eleições suplementares do próximo ano, em que indicará um país ainda dividido entre direita e esquerda. “Muita coisa pode mudar até 2026, o que nos deixa em uma situação de indecisão. Vamos ver o que vai acontecer nas eleições do ano que vem, para as prefeituras. Se elas mostrarem que a polarização entre direita e esquerda continua, fica difícil para qualquer candidato de centro, porque isso certamente se estenderá para os Estados e para a eleição presidencial”, citou.

O advogado acrescentou que, por ainda estar evidente entre os dois campos políticos, candidatos de centro não deverão prosperar nas eleições de 2026, principalmente para o cargo de governador no Distrito Federal. “A polarização deixa o discurso na política mais racional, sem trabalhar ideias que sejam boas para o nosso país. Vejo muita gente falando de possíveis cenários, mas isso é tão cedo para comentarmos sobre”, disse. “Tudo vai depender dos próximos passos, de quem vier para candidato ao Buriti em 2026. Não coloco o meu nome como candidato, porque é difícil fazer oposição numa situação dessa”, ponderou Roque.

O senador Izalci Lucas (PSDB) disse que a candidatura ao GDF, em 2026, “é uma perspectiva que sempre existe”. “Óbvio que precisamos articular e conversar com muita gente ainda, não depende só de vontade”, ponderou. “Atualmente, estamos trabalhando (no Senado) para colher os frutos lá na frente”, acrescentou o parlamentar.

O tucano ressaltou que trabalhos como o que retirou o Fundo Constitucional do arcabouço fiscal e a aprovação da recomposição salarial das forças de segurança, podem ajudar em uma possível candidatura. “Aprovamos muitas leis que favoreceram o DF. Aquilo que era necessário, fizemos por aqui no Senado”, reforçou. “Estamos preparados há algum tempo para isso (concorrer). A vontade é essa, mas, como disse, dependemos de conversas e articulações fortes com os partidos”, pontuou Izalci Lucas.

Oposição forte

Presidente do PT-DF, Jacy Afonso destacou que o partido ainda não pensa em nomes para o pleito de 2026. Ele destacou a criação do Fórum Permanente de Oposição, em novembro deste ano, que tem como objetivo articular sobre o assunto.

O grupo é formado pelos partidos PSol, PSB, PDT, PT, PV, PCdoB e Rede. “A ideia é discutir uma unidade da oposição, com uma chapa forte, para concorrer a todos os cargos de 2026, tanto GDF como Câmara dos Deputados e Senado Federal”, afirmou Afonso. “Mas não temos nenhuma definição quanto a nomes. Não queremos colocar ‘a carroça na frente do boi’. Nossa previsão é que essa discussão comece somente no fim de 2024, para não criar divergência entre possíveis candidatos”, disse.

Sobre a possibilidade de criar uma Federação, assim como ocorreu nas eleições de 2022, o presidente do PT-DF comentou que as atuais federações têm validade até março de 2026. “O processo de fusões partidárias, constituições, ampliações e até mesmo dissolução, estará em aberto nesse período”, sinalizou.

A presidente do PSol-DF, Giulia Tadini, ressaltou que “não está na hora de definir nomes” para concorrer ao Buriti. “É preciso fortalecer a oposição ao governo Ibaneis, a partir da unidade de ação em pautas concretas, em defesa dos direitos da população e no combate às desigualdades”, comentou. “Temos que construir um projeto de cidade e é isso que o PSol está fazendo, primeiramente, antes de pensar em candidatos”, reforçou Giulia. O partido, de forma geral, defende que a reunião para definir candidatos deve acontecer somente durante o ano eleitoral.

Eduardo Zanata, presidente do PSTU-DF, disse à reportagem que a legenda ainda começou a discutir sobre o tema. “Nossa prioridade de momento é fortalecer o trabalho de base do partido no DF”, ressaltou. Mas, segundo Zanata, a ideia é que a sigla mantenha a mesma política da última eleição, lançando candidatura própria. “Não existe mudança do quadro político local. Somos oposição. Também não temos acordo com os projetos políticos da federação PT/PV/PCdoB e do PSol”, argumentou o presidente do PSTU-DF.

Articulações difíceis

Professor de ciência política do Centro Universitário do DF, André Rosa avaliou que as articulações tendem a acontecer até quatro anos antes das eleições. “Existem casos em que os candidatos se colocam à disposição às vezes oito anos antes da disputa, mesmo sabendo que existem outros candidatos com maior viabilidade eleitoral”, comentou o especialista.

De acordo com o cientista político, as escolhas costumam ser feitas de acordo com o capital político dos envolvidos. “Isso costuma ser uma ‘bala de prata’ nas eleições, ou seja, aqueles que têm maior viabilidade, tanto em níveis econômicos quanto de popularidade perante a opinião pública, costumam largar na frente nessas articulações”, apontou.

André Rosa reforçou que não é tão simples ser candidato ao governo do Distrito Federal. “Em Brasília, por ter um alto número de caciques políticos, essas articulações tendem a ser um pouco mais difíceis”, alertou. Em relação à costura política, o especialista avalia que o DF tem um quadro megalomaníaco. “A direita se une com a esquerda e com centro, formando uma grande coalizão para disputar as eleições. Por isso, Brasília é um ponto fora da curva”, analisou o professor.

Para o cientista político, o atual chefe do Executivo local deve ser o fiel da balança. “Vai depender do seu mandato como um todo, principalmente o atual”, comentou. “O eleitor busca aquilo que foi pelo governante, se Ibaneis Rocha tiver um bom desempenho, a transferência de votos para quem ele apoiar será quase que automática”, finalizou.

Por Arthur de Souza e Pablo Giovanni do Correio Braziliense

Foto: Ed Alves/CB/DA.Press / Reprodução Correio Braziliense