Salão Nacional do Turismo retorna ao DF reunindo mais de 10 mil pessoas

Entre as várias atividades, uma mesa-redonda sobre ecoturismo foi destaque na programação

0
144

Neste fim de semana a Arena BRB (Estádio Mané Garrincha) recebeu o Salão Nacional do Turismo, um projeto desenvolvido pelo Ministério do Turismo e que conta com o apoio do Governo do Distrito Federal (GDF). Retomado este ano, o evento, que se encerra na noite deste domingo (17), proporciona apresentações culturais e gastronomia regional, além de um núcleo de conhecimento dedicado a palestras informativas sobre o setor, atraindo o público para se aprofundar na indústria turística. Confira aqui a programação.

A Secretaria de Turismo do Distrito Federal (Setur-DF) é a anfitriã do evento que representa Brasília em cinco eixos do Salão: cultural, rural, natural, tendências e “o de sol e praia”. O estande da Setur-DF recebe os visitantes com distribuição de material informativo sobre a cidade e suas regiões administrativas. Os profissionais orientam sobre os atrativos da capital federal.

“O evento está repleto de atrativos do nosso país e, só neste sábado, cerca de dez mil pessoas circularam pelo evento. Estamos promovendo o turismo para o nosso Brasil, trabalhando juntos somos mais fortes”, destacou o secretário de Turismo, Cristiano Araújo.

Ecoturismo

Pela manhã, a mesa-redonda Turismo Rural abordou temas como o enoturismo no Brasil, que consiste em vivenciar a atividade de produção de vinhos em meio às vinícolas; o turismo de base comunitária; e o turismo dos casamentos e luas de mel.

Segundo o coordenador de natureza e segmentos especiais da Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo (Embratur), Leonardo Perci, nacionalmente o ecoturismo apresenta um crescimento, nos últimos anos, de uma média em torno de 20%, principalmente na fase pós-pandêmica.

“O ecoturismo é uma atividade que promove atividades ao ar livre, com menos pessoas próximas de você, menos aglomeração. As pessoas, na pós-pandemia, estão buscando se reconectar com a natureza, com a família, então é uma atividade que cresceu bastante nesta fase e mostra a importância desses empreendedores se prepararem de forma profissional e com qualidade para ofertar esse serviço”, afirmou.

Perci ressaltou, ainda, que há uma série de oportunidades de ecoturismo na capital, desde o Parque Nacional de Brasília até trilhas de longo curso. “Hoje a rede brasileira de trilhas é bem estabelecida no DF e faz um trabalho importante de sinalização dessas rotas, de forma a estimular os ecoturistas a fazerem esses percursos, sejam com a família, com os amigos ou através de operadoras de ecoturismo e turismo de aventura. Isso gera também uma oportunidade para os empreendedores, principalmente os pequenos empreendedores do DF a terem acesso a esses clientes e possam também dinamizar seus negócios, tendo então a oportunidade de emprego”, frisou.

Para o empresário Ronaldo Triacca, do ramo de hotelaria, turismo rural e produção de vinhos, o ecoturismo é muito importante para o DF e representa uma empregabilidade interessante, movimentando a economia, principalmente regiões de populações com menos possibilidades, beneficiando socialmente o local e movimentando a economia como um todo.

“Nós temos regiões do Cerrado muito bem preservadas e isso acaba atraindo turistas de outras regiões e de fora do país. Quando se soma ecoturismo, enoturismo e o próprio turismo rural na sua essência, Brasília tem toda essa potencialidade que pouca gente sabe. Não é só política e monumentos, Brasília vai muito além disso”, acentuou Triacca.

Consultora de turismo no Senac Mato Grosso do Sul, Camila Fernandes estava presente na mesa-redonda e disse ter se surpreendido com o evento. Ela se mostrou interessada pela parte do enoturismo, comentando ser uma área pouco conhecida pelas pessoas, que muitas vezes nem sabem da existência de vinícolas em alguns estados do Brasil, como o próprio Distrito Federal. “Eu acho que esse é o futuro real do turismo: aproveitar a oportunidade e as potencialidades naturais que esses destinos têm como atrativos. Ter essas referências do que está acontecendo e como está sendo feito é bem importante”, observou.

Por Carolina Caraballo da Agência Brasília

Foto: Joel Rodrigues/Agência Brasília / Reprodução Agência Brasília