Ibaneis elogia Lewandowski como novo ministro da Justiça: “Perfil agregador”

Nas redes sociais, governador do DF elogiou escolha de Lewandowski e afirmou que substituto de Flávio Dino terá "grandes desafios pela frente"

0
119

O governador Ibaneis Rocha (MDB) elogiou a escolha do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em nomear o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski como ministro da Justiça.

No X (antigo Twitter), o chefe do Executivo local desejou sorte a Lewandowski, que irá substituir Flávio Dino, senador licenciado e que assumirá, em 22 de fevereiro, uma das cadeiras de ministro da Suprema Corte. “O novo Ministro da Justiça, Ricardo Lewandowski, tem grandes desafios pela frente. Mas é um homem preparado para a tarefa. Seu perfil agregador é o que o Brasil precisa neste momento para enfrentar questões que afetam a vida do cidadão no curto prazo e da sociedade como um todo no futuro”, escreveu.

“No Supremo Tribunal Federal, pautou suas decisões pela rigidez do bom direito, com decisões técnicas exemplares. Desejo toda a sorte ao novo ministro, na certeza de que ele fará o melhor pelo país”, completou Ibaneis, na rede social.

Novo comando

Lewandowski, que é ministro aposentado do STF, aceitou o convite de Lula, formalizado na noite de quarta-feira (10/1). Conforme os jornalistas do Correio Renato Souza, Ingrid Soares e Aline Brito mostraram, as conversas entre os dois já ocorriam havia semanas. A confirmação do ex-ministro no cargo ocorreu na manhã desta quinta-feira (11/1), em coletiva no Palácio do Planalto.

O ministro aposentado atuou como advogado entre 1974 e 1990, tendo sido Conselheiro da Ordem dos Advogados — Seção de São Paulo (OAB-SP) entre 1989 e 1990. Na mesma época, também ocupou os cargos de secretário de Governo e de Assuntos Jurídicos de São Bernardo do Campo (1984 a 1988). Também foi presidente da Empresa Metropolitana de Planejamento da Grande São Paulo (Emplasa) (1988 a 1989).

Na magistratura, o primeiro trabalho foi como juiz do Tribunal de Alçada Criminal do Estado de São Paulo (entre 1990 e 1997), sendo promovido depois para o cargo de desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP). Ele também foi eleito para o cargo de vice-presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros, o qual ocupou entre 1993 e 1995.

Em 2006, foi indicado ao STF pelo presidente Lula e ficou 17 anos na Corte. Assumiu em 2014 o cargo de presidente do STF, ficando no comando até 2016. Lewandowski foi ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), entre 2006 e 2012, e presidiu a Corte de 2010 a 2012.

Dino irá assumir o cargo de ministro em 22 de fevereiro, na cadeira deixada pela ministra aposentada Rosa Weber.

Por Pablo Giovanni do Correio Braziliense

Foto: Ed Alves/CB/DA.Press / Reprodução Correio Braziliense