Novo retorno na DF-079 vai reduzir trânsito entre Águas Claras e Park Way

Obra do GDF vai dar mais fluidez à rotatória que leva à Avenida Castanheiras; motoristas que passam da EPNB para a EPTG também serão beneficiados

0
59

Os motoristas de Águas Claras, Park Way e Arniqueira terão mais facilidade em circular pela rodovia DF-079 com a construção de um retorno entre a linha do metrô e a rotatória de acesso à Avenida Castanheiras, de Águas Claras. As obras, que já estão em andamento, têm como objetivo reduzir o fluxo no balão, frequentemente engarrafado nos horários de pico.

A intervenção viária vai permitir que o condutor que trafega no sentido Park Way tenha a opção de entrar no retorno para acessar a Estrada Parque Núcleo Bandeirante (EPNB), ou seguir rumo à Avenida Vereda da Cruz, sem a necessidade de esperar na rotatória. A previsão de abertura do novo retorno é para o final de abril.

Com investimento de R$ 400 mil, a obra vai dinamizar o trânsito e criar alternativas para os cidadãos que trafegam pela rodovia. Segundo a estimativa do Departamento de Estradas de Rodagens do DF (DER-DF), cerca de 2 mil motoristas usam a rotatória para retornar no sentido EPNB diariamente – público que, após a conclusão das obras, deixará de trafegar pelo balão e passará a usar o retorno.

Jarbas Martins, diretor do 3º Distrito do DER-DF, lembra que há bastante movimento na rotatória, um ponto de ligação entre as três regiões. No entanto, as obras estão sendo realizadas fora do horário de pico, para evitar incômodo aos moradores.

“Por conta da movimentação das máquinas, tivemos que fazer a interdição de uma faixa da via, temporariamente. Mas não estamos tendo retenção no local. Nos horários em que o trânsito é mais movimentado, o fluxo está preservado”, frisa.

Martins explica que os benefícios serão sentidos não apenas por quem circula de carro, mas também nas rotas de ônibus. “A nova estrutura viária vai facilitar a passagem dos motoristas de maneira geral, bem como dos passageiros do transporte público, que vão perder menos tempo com congestionamentos”.

Melhorias bem-vindas

Alessandro Soares, de 44 anos, é morador do Riacho Fundo e traz o filho para atividades terapêuticas no Park Way semanalmente. Ele conta que chega a passar de 30 minutos a uma hora no trânsito por conta da rotatória.

“O fluxo é muito intenso. Eu creio que o retorno vai contribuir para desafogar o trânsito, né, porque tem muito carro, aí fica embarreirando. Tendo outra opção, vai ficar melhor; qualquer tipo de obra em relação ao trânsito é bem-vinda”, acredita.

O comerciante João Manoel de Carvalho, 60, avalia que é preciso ter paciência com o período de obras, porque depois “vêm as melhorias”. “Vai ficar bom, ajudar a desengarrafar o balão. No final, todo mundo será beneficiado. Depois da obra pronta, é só alegria”, brinca.

Foco em mobilidade

A abertura do retorno é mais uma iniciativa do Governo do Distrito Federal para ampliar a mobilidade em Águas Claras, região que vive um aumento na densidade populacional. Em agosto do ano passado, o governador Ibaneis Rocha inaugurou o terceiro acesso à cidade.

Com investimento de R$ 14 milhões, a via, além de oferecer uma nova alternativa para quem acessa a região, garante melhor fluidez no trânsito para os mais de 150 mil motoristas que trafegam por lá diariamente.

Em janeiro deste ano, a Secretaria de Transporte e Mobilidade (Semob) criou a linha 0.008 – Circular Águas Claras. A nova rota dinamiza a circulação dos passageiros na cidade, sobretudo para facilitar a integração com o metrô.

A integração é permitida aos usuários que utilizam cartões da bilhetagem automática como forma de pagamento das viagens, como o cartão mobilidade que pode ser adquirido na Estação do Metrô de Águas Claras. Com ele, o passageiro pode fazer até três embarques no mesmo sentido, no período de três horas, e pagar a tarifa máxima de R$ 5,50.

Jarbas Martins frisa que o GDF ainda prepara uma série de melhorias para a região. “Estamos fazendo esse retorno e vamos fazer outras intervenções aqui, entre a Estrada Parque Taguatinga (EPTG) e a Estrada Parque Núcleo Bandeirante (EPNB), como travessias de pedestres e instalação de abrigos de ônibus ao lado da rodovia”, detalha.

Por Ana Flávia Castro da Agência Brasília 

Foto: Geovana Albuquerque/ Agência Brasília / Reprodução Agência Brasília