Alunos do DF recebem premiação por ação de cultura da paz nas escolas

Alunos do 'Jovens Líderes pela Paz' participaram, durante seis meses, de ações de liderança no ambiente escolar

0
138

Durante seis meses, cerca de 170 alunos de escolas públicas do DF, se reuniram com o propósito de diminuir a violência e promover a cultura de paz no ambiente escolar. Eles fazem parte do projeto Jovens Líderes pela Paz, ação idealizada pela Comissão para Paz nas Escolas da Secretaria de Educação (SEEDF), que nesta sexta-feira (16/12), fez a entrega de certificados de premiação para os alunos.

“O projeto, além de vitorioso para a Secretaria de Educação, tem uma característica muito importante por ter nascido de um aluno da rede”Tony Marcelo, presidente da comissão do Plano de Urgência pela Paz nas Escolas

O evento contou com a participação de professores e representantes das Regionais de Ensino do DF, além de pais, ex-alunos e alunos das oito escolas participantes da iniciativa. Antes da entrega dos certificados, os estudantes falaram sobre os desafios e objetivos da ação. “O projeto surgiu num momento muito delicado, em que, após a pandemia da covid-19, os estudantes tiveram de enfrentar os desafios de saúde mental. Alguns estavam com dificuldade na socialização, o que refletiu em muitos casos de violência nas escolas”, conta o ex-aluno e idealizador do projeto, Eduardo Vasconcelos.

A estudante Ramyne Fernandes, 16 anos, aluna do segundo ano do ensino médio no CEM 1 de Planaltina, afirma: “Eu gostei da liberdade de expressão que tivemos para criar outras atividades na escola. Nós criamos caixas e as espalhamos pela escola para arrecadar alimentos”. Já o amigo de sala, Samuel dos Santos, 15 anos, conta como era o CEM antes do projeto: “Nossa escola era muito mal vista, pois havia muitas brigas, consumo de drogas e, na nossa sala mesmo, alguns alunos raramente frequentavam as aulas. Isso era ruim, mas o projeto vem nos ensinando e nos motivando a não desistir dos estudos”.

Formação

Por meio do protagonismo dos estudantes, o projeto chega no ambiente escolar por meio dos cursos de formação. Essas capacitações são ministradas por professores, coordenadores da educação e ex-alunos da rede pública. Após a formação, os alunos se tornam Líderes pela Paz e realizam uma série de atividades que visam promover a saúde mental, o conceito da comunicação não violenta, da cultura de paz, infrequência, abandono e evasão escolar.

“O projeto, além de vitorioso para a Secretaria de Educação, tem uma característica muito importante por ter nascido de um aluno da rede. Nasce de uma forma espontânea e orgânica e foi conquistando o espaço nas escolas, justamente porque ele trabalha diretamente o protagonismo e pertencimento do aluno e isso é bastante significativo para eles”, explica o presidente da Comissão do Plano de Urgência pela Paz nas Escolas, Tony Marcelo.

Para 2023, Tony Marcelo diz que a meta é fazer com que o projeto chegue para todos os estudantes da rede. “O objetivo é oportunizar para que todos os estudantes da rede pública tenham acesso a esse protagonismo estudantil, pois percebemos que o fator necessário de evolução na educação está no pertencimento do aluno na escola. A Secretaria de Educação vai apostar diretamente na educação para paz tendo esse projeto como carro chefe”, informa.

*Com informações da Secretaria de Educação

Por Agência Brasília

Foto: Mary Leal/SEEDF / Reprodução Agência Brasília