Lula defende que governo volte a ser ‘dono’ da Eletrobras

Em fevereiro deste ano, o presidente disse que os termos da privatização da empresa são “leoninos” e “erráticos”, assim como “lesa-pátria”

0
73
Encontro Lula e Alckmin com microempreendedores

O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, afirmou nesta terça-feira, 21, que pretende reestatizar a Eletrobras apenas sete meses após o processo de privatização da empresa. Em entrevista ao site Brasil 247, Lula disse que, se o governo tiver condições, “voltaremos a ser dono” da companhia energética e garantiu que “não vai ficar por isso” a venda da maior fatia de participação na empresa a investidores privados.

“O que foi feito na Eletrobras foi um crime de lesa-pátria. Você privatizou uma empresa daquele porte e usou o dinheiro para o quê? É como se você tivesse a sua casa e dissesse que decidiu vender a sua casa para pagar a sua divida. Você vai ficar com o que na vida? Uma empresa como a Eletrobras é um patrimônio desse País e tem que ter muita responsabilidade”, argumentou Lula. “Eu espero que um dia, se a gente tiver condições, a agente volte a ser dono da maior empresa de energia que esse País já teve”, completou.

As criticas ao processo de privatização da Eletrobras marcaram a campanha presidencial petista e ainda estão presentes nos discursos de Lula após tomar posse. Em fevereiro deste ano, o presidente disse que os termos da privatização da empresa são “leoninos” e “erráticos”, assim como “lesa-pátria”. Na ocasião, Lula ainda orientou que a Advocacia Geral da União (AGU) a solicitar a revisão do contrato.

Na entrevista, Lula voltou a fazer menções a empresa, mas desta vez alinhando às críticas ao processo de privatização às queixas que tem feito à taxa de juros definida pelo Banco Central.

O presidente classificou como “irresponsabilidade” a venda da Eletrobras para pagar juros da divida interna enquanto defendia a ampliação dos investimentos públicos em infraestrutura e programas sociais.

Petrobras

Lula também afirmou ter orientado o presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, a suspender a venda de todos os ativos da empresa. Uma de suas promessas durante a campanha eleitoral era paralisar todos os processos de privatização de empresas federais.

Em seu primeiro dia de governo, Lula determinou via decreto a suspensão de oito estudos e processos de desestatização em curso no governo.

Estadão conteúdo

Por Redação do Jornal de Brasília

Foto: Agência Brasil / Reprodução Jornal de Brasília