Escolas públicas do DF têm R$ 3 milhões para projetos de inovação

Programa-piloto foi implantado em agosto de 2021 em quatro centros de ensino; cada unidade será beneficiada com investimentos na infraestrutura

0
88

Quatro centros de ensino da rede pública fazem parte do projeto-piloto Escolas Inovadoras, promovido pela Fundação de Apoio à Pesquisa e Inovação do Distrito Federal (FAPDF) em parceria com a Secretaria de Educação (SEE). Iniciado em agosto de 2021, o programa, que conta com  investimento de cerca de R$ 3 milhões para cada instituição, consiste na inserção de quatro organizações da sociedade civil (OSCs) nas unidades de ensino para levar melhorias estruturais e pedagógicas.

“O objetivo é ser uma cocriação de inovação e tecnologia dentro das escolas do Distrito Federal oferecendo capacitação de professores, melhorias nas escolas e compra de materiais; por enquanto, é um projeto-piloto”, revela a coordenadora científica da FAPDF, Ana Paula Almeida Aragão. “É um projeto que consegue dar aos alunos mais oportunidades de acesso tecnológico e, aos professores, a possibilidade de serem mais capacitados para dar as aulas.”

As escolas beneficiadas pela iniciativa são CEF 5 de Taguatinga, CEF 1 do Planalto (Vila Planalto), CEF 11 de Taguatinga e Escola Técnica de Ceilândia. Uma OSC é responsável pela gestão do programa em cada uma das unidades. De acordo com o edital, o projeto teria duração de 18 meses, mas todos receberam aditivos para que as organizações tivessem mais tempo de operar as demandas das unidades.

Experiência positiva

Com 420 alunos do 6º ao 9º ano, o CEF 5 de Taguatinga é uma das escolas públicas em que o projeto tem feito a diferença. Desde a chegada da Agência de Transformação Social (Iecap), OSC responsável pelo projeto, a unidade ganhou equipamentos, passou por reformas, capacitou professores e ofereceu cursos para os alunos.

“Para nós foi um ganho muito grande em equipamentos e estrutura”, avalia a diretora do CEF 5 de Taguatinga, Josália Luso Miquett. “Nós agora temos datashow em todas as dez salas. O projeto cedeu oito aparelhos, e nós já tínhamos dois. Também ganhamos notebook para os professores usarem na escola e 50 tablets para os alunos.”

O laboratório de geobiologia passou por reforma, com a repaginação das bancadas e a troca do piso. As salas de informática, coordenação, recursos humanos e multiúso tiveram as paredes recuperadas e pintadas. Na biblioteca, foram substituídas as estantes e adquiridas mesas e cadeiras. A cantina também ganhou novo mobiliário, enquanto o espaço de convivência teve o piso alterado e recebeu uma arquibancada.

Há seis anos na escola, a professora Renata Santana Machado é hoje a responsável pela biblioteca. “Eram estantes de ferro que já estavam enferrujadas”, lembra, mostrando o equipamento atual, feito em MDF. “Era muito ruim para manusear os livros. Agora é mais tranquilo. Ficou muito bom”.

O local ganhou mais espaço, o que possibilitará a realização de projetos como o Conversa Literária, sobre o qual a professora Renata adianta: “Será um debate sobre um livro a ser definido com os alunos. Como antes era apertado, não dava para fazer um projeto desse. Com as mesas e cadeiras, vai ficar mais fácil e de fato vamos começar a utilizar o espaço para além de emprestar os livros”.

Novo prédio

Atualmente, um novo prédio está sendo construído para abrigar a Escola da Família, espaço de atividades diversificadas e cursos de qualificação e capacitação profissionais gratuitos para pais e destinados à comunidade. Haverá uma cozinha experimental, duas salas móveis e duas salas no subsolo para atendimento psicopedagógico, além de um banheiro com acessibilidade.

A diretora comemora: “Esse é um ganho bem expressivo, porque a nossa escola tem um espaço físico muito grande. Nesse sentido, está sendo bem valoroso, porque será um espaço para atender a comunidade com oficinas”.

Pedagogicamente, a escola conta com capacitações voltadas para os professores e um novo programa para os estudantes, o projeto Eu Lidero. “Esse é um projeto que vai ficar após a saída da OSC”, comenta Josália. “Eles formaram nossos professores para trabalharem com os alunos. É uma iniciativa que trabalha o empoderamento pessoal, a visão de futuro, o viver em sociedade e o relacionamento familiar”.

O coordenador-geral do projeto da Iecap, Dário Aguirre, reforça que a organização se empenha, desde o início, em uma atuação que possa ser replicável na rede. “Estamos construindo juntos”, pontua. “Existe uma possibilidade muito grande de esse projeto efetivamente emplacar em outras escolas, porque conseguimos respeitar a cultura da escola e gerar soluções para dentro da escola”.

Por Agência Brasília

Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília / Reprodução Agência Brasília