Cardápio de frutas a céu aberto faz a alegria dos brasilienses

Cidade conta com cerca de 950 mil árvores frutíferas, incluindo manga, abacate, jaca, pitanga, amora, acerola e cajá, todas disponíveis para a população

0
1421

É com uma sacola nas mãos que nos dias de folga o militar do exército Sílvio Lopes, 49 anos, aproveita esta época do ano para percorrer a conhecida Avenida das Mangueiras, no Cruzeiro, e colher mangas maduras das dezenas de pés da região. Ao todo, o Distrito Federal possui cerca de 950 mil árvores frutíferas plantadas pela Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap).

“Fui criado na roça, e pegar frutas no pé sempre fez parte da minha infância. Por coincidência, moro aqui em Brasília perto de uma rua repleta de mangueiras, e estou aproveitando a época para colher as mangas maduras, que caem das árvores, e levá-las para casa”, conta o militar. “Brasília é ótima, tem uma variedade de frutas nas ruas, como manga, jaca, abacate, ingá. Basta saber a época do ano e ir atrás”, recomenda o morador do Cruzeiro.

Entre as quadras e avenidas de todo o DF, os pedestres têm à disposição pelo menos 35 espécies de árvores com frutas tradicionais, como manga, jaca, goiaba, amora, tamarindo, caju, jabuticaba, pitanga, e as nativas do Cerrado, como araçá, baru, cagaita, cajá, ingá, pequi e jatobá. As árvores frutíferas fazem parte da arborização da capital desde o início de sua construção. De acordo com a Novacap, o plantio na cidade segue ainda hoje o planejamento do urbanista Lúcio Costa.

“A ideia de transformar Brasília em um grande pomar a céu aberto faz parte do projeto original da cidade, visando o benefício da fauna e da população. Quando chega o período chuvoso, a natureza trabalha com mais vigor, as mangas estão prontas para a colheita, assim como as jacas e os abacates. Temos um cardápio de frutas, com 10 espécies do Cerrado, e diversos pontos tradicionais na capital, como a Avenida das Jaqueiras, a Avenida das Mangueiras e o Parque da Cidade”, explica o técnico do Departamento de Parques e Jardins da Novacap, Leonardo Rangel.

Rangel destaca que a companhia realiza o plantio das árvores frutíferas como parte do programa de arborização que ocorre de outubro a março, quando as chuvas são mais intensas e constantes. “Plantamos, em média, 15 mil árvores em cada programa anual”, completa.

Colheita à vontade

No fim do ano, as mangas são os principais destaques, e em diversos cantos e regiões administrativas, é possível aproveitar os frutos das árvores. Além disso, aves como periquitos, tucanos e outras espécies frequentam os pomares, principalmente nas quadras do Plano Piloto.

Outro destaque é que as árvores frutíferas têm o poder de humanizar a cidade, reconectando a população com prazeres simples, como colher frutas silvestres no pé e descobrir novos sabores, incentivando o uso dos espaços públicos.

Apenas em frente ao Eixo Monumental, entre o Palácio do Buriti e o Memorial dos Povos Indígenas, 100 mangueiras fazem a alegria daqueles que passam diariamente pela região, sendo comum encontrar pessoas colhendo os frutos. É o caso de Lândia Pereira, uma saladeira de 40 anos, moradora do Entorno do DF, que percorre diariamente o trecho no caminho para o trabalho. “É o meu caminho, e todas as vezes que vejo as mangas, pego minha sacola e vou colhê-las. São doces e saborosas. Levo para as minhas filhas, elas adoram. Faço receitas, me alimento e levo para casa para saborear com a família, é muito bom”, relata.

Plantio

Apesar de todos os benefícios, o plantio das árvores pela população requer cuidados. A Novacap, com foco na sustentabilidade e na sucessão ecológica das árvores do DF, não recomenda o plantio indiscriminado e sem planejamento. “Recomendamos que a população não plante sem o conhecimento dos locais apropriados. Existem regiões em que não plantamos e nem recomendamos o plantio, como próximo aos estacionamentos. Se desejar plantar, procure a Novacap, que fornecerá todas as orientações. No entanto, a colheita é livre, e as frutas são cultivadas sem o uso de agrotóxicos”, finaliza o técnico Leonardo Rangel, da Novacap.

Por Josiane Borges da Agência Brasília

Foto: Lúcio Bernardo Jr/Agência Brasília Reprodução Agência Brasília 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui