DF tem chances de chuva a partir de amanhã (15/11)

Diante da onda de calor no DF desde a semana passada, Inmet mantém o alerta vermelho de baixa umidade, mas estima pancadas de chuva isoladas a partir de quarta-feira

0
1537

Apesar do alerta vermelho de grande perigo para a onda de calor, o Distrito Federal tem chances de pancadas de chuva isoladas a partir de quarta-feira (15/11). A previsão é do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), que não descarta o forte calor e baixa umidade ao longo da semana. “Ainda teremos um tempo abafado”, assegura o meteorologista Heráclio Alves.

O especialista explica que o calor deve intensificar a nebulosidade, o que aumenta a umidade. “A qualquer aumento da umidade, aumentam as chances de chuva”, diz.

Para esta segunda-feira (13/11), o DF pode atingir temperatura máxima de 36ºC, com umidade relativa do ar entre 90% e 15%. Segundo o Inmet, a temperatura mínima registrada foi de 15ºC, em Águas Emendadas, estação meteorológica de Planaltina, e de 18ºC no Plano Piloto.

Nesse domingo, Heráclio conta que o DF atingiu 35,4ºC em alguns pontos, o que pode ser superado nesta segunda-feira. “Hoje vai ser mais um dia quente e seco, com vento fraco a moderado e predomínio de céu com poucas nuvens, mas ainda sem chuva”, afirma o especialista.

Alerta vermelho mantido

Devido à onda de calor acompanhada de altas temperaturas e tempo seco, o DF entrou em alerta vermelho de grande perigo, na última sexta-feira (10/11), por causa da onda de calor e baixa umidade. O comunicado do Inmet se estende até as 23h59 da próxima quarta-feira (15/11), mesmo diante das chances de pancadas de chuva, principalmente a partir da tarde.

O Instituto Nacional de Meteorologia diz que há risco à saúde diante da temperatura, que fica 5ºC acima da média por período maior do que cinco dias. O alerta vermelho atinge outros estados do Centro-Oeste, como Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. O noroeste de São Paulo também está sob aviso.

Por Pedro Marra do Correio Braziliense

Foto: Minervino Júnior/CB/D.A.Press / Reprodução Correio Braziliense