Medidas de segurança protegem residências contra furtos durante viagens

Para quem vai viajar e deixar a residência vazia nesse período de recesso e férias, o uso de equipamentos de segurança e até o apoio da comunidade são fundamentais

0
113

Em época de festividades, muitas famílias aproveitam janeiro para viajar e curtir as férias escolares e recessos. A Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) dá orientações e recomendações para manter a segurança de casa enquanto os moradores estão fora.

De acordo com o major Raphael Broocke, da PMDF, os cuidados são voltados, principalmente, às residências como casas de condomínio, ou as que ficam em locais mais distantes, visto que geralmente os apartamentos com portarias apresentam um controle maior no acesso de pessoas.

Entre as medidas que podem ser adotadas para proteger a casa, está a adesão de equipamentos de segurança, como cercas elétricas, alarmes sonoros e câmeras de vigilância. O objetivo é fazer com que a residência seja vista como um lugar de difícil acesso para quem tenta invadir.

“Casas sem equipamentos passam mais vulnerabilidade, enquanto as que possuem mais obstáculos, como um gradeado mais alto, portões com dificuldade maior de abertura, entre outros, desestimula os criminosos, que sempre observam uma vulnerabilidade ou qual o ponto que conseguem acessar com mais facilidade sem serem descobertos”, destaca Broocke.

Mesmo com a frente da casa amparada, é importante também checar as laterais e os fundos da propriedade. Outra dica é não expor que está indo viajar, por exemplo, evitando colocar as malas no carro do lado de fora da residência. Isso acaba sendo um indicativo visível de que a pessoa vai ficar fora por um tempo.

Também é aconselhável avisar a uma pessoa de confiança, como um vizinho, sobre a viagem, para que, vez ou outra, ela confira a movimentação da região. E, se possível, pedir à pessoa de confiança para entrar, ligar as luzes e colocar algumas coisas para funcionar – ou até recolher os papéis de propaganda e cartas da casa, que, acumulados, são um forte indicativo que não há ninguém na habitação.

“Uma das coisas que tem funcionado bastante é essa questão da vizinhança, um olhando pelo outro. Existem até grupos de WhatsApp que formam uma rede de vizinhos protegidos, que ajudam a monitorar. É sempre importante fortalecer esses vínculos entre a comunidade, além de acionar a PMDF ao perceber qualquer movimentação estranha”, reforça o major Broocke.

Por fim, diante de qualquer movimentação estranha, é importante acionar o telefone da PMDF, 190, relatando a atividade suspeita.

Por Jak Spies da Agência Brasília

Foto: Renato Alves/Agência Brasília / Reprodução Agência Brasília